Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 2390
Italy 0
Great Britain 0
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 2660
France 6077
Spain 1063
Ireland 0
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

H5N1 – Gripe das Aves

Os vírus influenza podem dividir-se em 3 tipos: A, B e C. Do tipo A, conhece-se um total de 15 subtipos diferentes, de acordo com as moléculas hemaglutinina e neuraminidase presentes à superfície do vírus (incluindo o H5N1), que podem infetar as aves que, assim, servem como “reservatório” de vírus do tipo Influenza A na natureza. Na maior parte dos casos, estes vírus provocam sintomas ligeiros nas aves mas, ocasionalmente, uma variante altamente patogénica de um vírus pode aparecer, transmitindo-se rapidamente e matando as aves em poucos dias.

Aquilo que designamos como “gripe das aves” é, na verdade, um conjunto muito variado de diferentes vírus que se encontram em aves. Os vírus humanos da gripe têm, muito provavelmente, todos origem nesta diversidade de vírus presente nas aves e que, ocasionalmente, produz um vírus capaz de se transmitir aos humanos e até entre humanos.

O subtipo H5N1 tem sido responsável pela morte de centenas de pessoas nas últimas décadas. Durante estes anos, vários foram os alertas avisando para o risco de uma pandemia devido a infeções pela gripe das aves em humanos. Em 1997, em Hong Kong, dezoito pessoas foram infetadas por um vírus do subtipo H5N1, morrendo seis destas. O extermínio em massa de toda a população de aves domésticas de Hong Kong (1,5 milhões de animais), no espaço de três dias, é apontado por vários especialistas como tendo evitado uma nova pandemia. Desde então, o vírus H5N1 tem atacado esporadicamente na Tailândia, Camboja, Vietname e Indonésia. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, entre 2003 e agosto de 2010, este vírus foi responsável por um total de 505 casos confirmados e 300 mortes, sendo a Indonésia o país mais afectado (valores cumulativos). 

O H5N1 divide-se ainda em diferentes categorias, chamadas genótipos: V, W, G e Z. Todos os vírus H5N1 que infetaram humanos até agora pertencem ao genótipo Z. Pensa-se que à medida que este vírus se foi espalhando pelo mundo, foi aumentando a sua diversidade (por mutação génica), ou seja, o seu número de estirpes foi aumentando. Daí que, quanto maior for a diversidade de estirpes de H5N1 maiores são as hipóteses do vírus conseguir gerar uma variante que seja transmissível entre pessoas.

Assim, o H5N1 permanece um forte candidato a uma nova pandemia se em algum momento passar a barreira entre as espécies e deixar de apenas se transmitir de aves para humanos para passar a transmitir-se entre humanos.

Situação atualizada sobre a Gripe das Aves no site da OMS .
Vírus H5N1
Fonte: CDC
Vírus H5N1 (a castanho), crescendo em células de cultura MDCK* (a verde).


Detalhes ultra-estruturais de dois viriões
Fonte:CDC
Detalhes ultra-estruturais de dois viriões* de Influenza aviária A (H5N1).


*Partícula infeciosa de um vírus que compreende dois constituintes principais: um ácido nucleico e proteínas, dispostos de forma bem determinada para um dado vírus.