Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 1586
Italy 4840
Great Britain 0
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 1351
France 0
Spain 1029
Ireland 354
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

Análise 2006/2007

Nesta página expomos uma breve análise dos dados resultantes da monitorização da gripe, entre os participantes gripenet, durante a época 2006/2007.

Após 25 semanas de monitorização Gripenet, onde foram tratados os dados de mais de 35 mil questionários de sintomas, enviados por 4.200 portugueses, a curva de incidência gripal foi a que abaixo se mostra. No início de fevereiro, a epidemia atingia o seu pico máximo, apesar de a sua intensidade ser ainda considerada moderada (Gráfico 1).

Gripe em Portugal 2006/2007
Gráfico 1 – A curva de incidência.

Comparando a curva de incidência com a elaborada a partir da informação enviada pelos médicos-sentinela, compilada pelo Centro Nacional da Gripe (na altura, o Laboratório de Referência da Organização Mundial de Saúde para a Gripe em Portugal) e reportada ao European Influenza Surveillance Scheme (atualmente, o European Centre for Disease Prevention and Control), verifica-se uma forte conformidade entre as duas curvas. Como nota, o Gripenet define “síndroma gripal” quando são reportados mais de 38 graus de febre, com aumento súbito, dores musculares e um sindroma respiratório (Gráfico 2)

Gripenet vs Sistema convencional
Gráfico 2 – Gripenet versus vigilância convencional.

Quanto à análise temporal cruzada com a estrutura etária da amostra Gripenet, ressalta que os mais jovens contraem a doença mais cedo, enquanto os mais idosos são afetados pelo vírus mais tardiamente (Gráfico 3).

Análise 2006/2007 por idade
Gráfico 3 – Gripe em função da idade.

A projeção geográfica dos casos de síndrome gripal revela que, esta época, a gripe “viajou” de norte para o centro-sul. Por insuficiência estatística da região Sul (poucos participantes), não foi possível concluir que esse sentido de propagação se manteve do centro-sul para as regiões mais a sul, sendo, porém, de considerar esse o cenário mais provável (Gráfico 4).

Análise 2006/2007 geográfica
Gráfico 4 – Distribuição geográfica da gripe.

Foi ainda comparada a temporalidade da epidemia entre os três países que dispõem de sistema de monitorização em tempo real (Holanda, Bélgica e Portugal). O facto de existir um hiato entre o sudoeste e o centro europeu não permite ainda estabelecer com certeza o real efeito de onda epidémica, sugerindo, contudo, os dados existentes que a gripe se propagou numa “onda” de sul para norte (Gráfico 5).

Comparação Gripenet com outros sistemas europeus
Gráfico 5 – Os dados dos sistemas on-line existentes na Europa.

Por fim, algumas curiosidades estatísticas: sexta-feira é o dia da semana que regista mais novos casos declarados; como se suspeitava, os fumadores são mais suscetíveis ao Influenza do que os não fumadores; porém, contrariando algum senso comum, os suplementos de vitaminas parecem não conferir maior resistência ao Influenza. Confirma-se que são os adultos (25-50 anos) com crianças em casa que registam mais episódios gripais do que os agregados só compostos por adultos. Em Portugal os homens contraíram mais gripe do que as mulheres, o contrário do que se passou na Holanda; são os holandeses que mais ficam em casa quando estão com gripe. Todos estes dados devem ser estatisticamente relativizados para a amostra Gripenet (4.200 participantes), devido à pequena dimensão da amostra.

Análise 2006/2007 por fumadores
Gráfico 6 – Os fumadores engripados.

Análise 2006/2007 por dia de semana
Gráfico 7 – A gripe pelos dias da semana.

Análise 2006/2007 Suplementos
Gráfico 8 – Recurso a suplementos (vitaminas).

Análise 2006/2007 Crianças
Gráfico 9 – Crianças em casa.

Análise 2006/2007 Sexo
Gráfico 10 – Homem ou mulher em Portugal?

Análise 2006/2007 Sexo na Holanda
Gráfico 11 – Homem ou mulher na Holanda?

Análise 2006/2007 Ficar em casa
Gráfico 12 – Ficar com gripe em casa?