Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 1875
Italy 5187
Great Britain 0
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 2591
France 11948
Spain 1057
Ireland 262
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

Estudo e_COR

Estudo e_COR

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge divulga o relatório do Estudo da prevalência de fatores de risco cardiovasculares na população portuguesa (e_COR), elaborado pela Unidade de Investigação e Desenvolvimento do Departamento de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças não Transmissíveis. O relatório apresenta o perfil de risco cardiovascular da população portuguesa, tendo sido a colheita de dados efetuada entre 2012-2014.

O estudo e_COR teve como objetivo, nesta primeira fase, estabelecer a prevalência dos principais fatores de risco de doenças cérebro-cardiovasculares (DCV) e avaliar qual a perceção das pessoas relativamente ao seu estado de saúde e/ou doença, tratamento e controlo das seguintes patologias: diabetes mellitus, hipercolesterolemia, hipertrigliceridemia e hipertensão arterial.

Dos resultados e conclusões apresentados no documento, destaca-se o seguinte:

  • As prevalências estimadas de diversos determinantes de saúde, nomeadamente: dieta inadequada (71,3%); pré-obesidade/obesidade (62,1%); hipertensão arterial (43,1%); nível baixo de atividade física (29,2%); hábitos tabágicos (25,4%); abuso de álcool (18,8%); hipercolesterolemia (colesterol-LDL ≥ 160 mg/dL – 31,5%; colesterol-LDL ≥ 130 mg/dL – 51,5%); história familiar de DCV prematura (11,8%); diabetes mellitus (8,9%); hipertrigliceridemia (≥ 200 mg/dL – 8,6%; >150 mg/dL – 18,6%);
  • Cerca de 68% da população apresentava dois ou mais fatores de risco para DCV e 22% quatro ou mais fatores de risco para DCV, considerando-se apenas os de maior relevância, ou seja: diabetes mellitus, hipercolesterolemia, hipertensão arterial, pré-obesidade/obesidade e tabagismo;
  • Além de se ter encontrado prevalências elevadas dos fatores de risco para doenças cérebro e cardiovasculares também se verificou um baixo índice do controle dos mesmos, principalmente da hipertensão arterial e diabetes mellitus;
  • Estes dados evidenciam a necessidade de as autoridades de saúde desenvolverem estratégias para rastrear a população em geral quanto aos fatores de risco para DCV e promoverem medidas de estilo de vida adequadas e literacia em saúde.

A prevenção destas patologias associadas ao risco cardiovascular e a introdução precoce e manutenção de medidas terapêuticas específicas é um desafio global que tem de ser mais amplamente abraçado por todos: profissionais de saúde, decisores políticos e população em geral.

O estudo conclui que é urgente definir políticas e desenvolver campanhas que melhorem a literacia em saúde e promovam o controlo dos fatores de risco cardiovascular biológicos e/ou associados ao estilo de vida.

Para consultar o relatório clique aqui.

Fonte: INSA (Noticia original

11 de February de 2020 às 09:45