Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 1593
Italy 4841
Great Britain 0
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 1352
France 0
Spain 1030
Ireland 355
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

Estudo da OMS-Europa confirma aleitamento materno como fator protetor para a obesidade infantil

Estudo da OMS-Europa confirma aleitamento materno como fator protetor para a obesidade infantil

Um estudo da Organização Mundial da Saúde para a Europa (OMS-Europa), coordenado por Ana Rito, investigadora do Departamento de Alimentação e Nutrição do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, confirma que as crianças que nunca foram ou que foram parcialmente amamentadas têm maior probabilidade de se tornarem obesas em comparação com as que foram amamentadas exclusivamente 6 ou mais meses. Este trabalho analisa dados de taxas de aleitamento materno em 22 países da OMS-Europa, participantes na 4ª ronda da iniciativa COSI (Childhood Obesity Surveillance Initiative).

De acordo com os resultados obtidos, as crianças que nunca foram amamentadas ou que foram amamentadas por um período mais curto têm, respetivamente, 22% e 12% mais probabilidades de serem obesas. Outra das conclusões deste estudo, refere que foram encontrados resultados estatisticamente significativos em 6 países que confirmam o aumento do risco de obesidade para crianças nunca amamentadas, em comparação com a amamentação exclusiva por 6 meses: Montenegro (90%), Malta (69%), Croácia (62%), Geórgia (53%), Espanha (25%) e Itália (21%).

O estudo “Association between characteristics at birth, breastfeeding and obesity, in 22 countries. The WHO European Childhood Obesity Surveillance Initiative – COSI 2015/2017“, que incluiu dados de amostras representativas nacionais de mais de 100 mil crianças dos 6 a 9 anos de idade, indica ainda que Portugal apresentou uma taxa de amamentação de 87,1%, mas somente 21% das mães amamentaram exclusivamente 6 ou mais meses, sendo que apenas 4 países apresentaram uma taxa de amamentação exclusiva de 25% ou mais (durante 6 ou mais meses), designadamente a Geórgia (35%), Cazaquistão (51%), Turquemenistão (57%) e Tajiquistão (73%).

“Considerando que a promoção do aleitamento materno representa uma ‘janela de oportunidade’ para a política de prevenção da obesidade infantil na Europa, as políticas nacionais existentes para promover práticas de amamentação e como estas políticas são desenvolvidas podem levar alguns países a serem mais ou menos bem-sucedidos no combate à obesidade. Em geral, as práticas de aleitamento materno na Europa ficam aquém das recomendações da OMS, situação que pode ser justificada devido a políticas ineficientes de promoção do aleitamento materno, comercialização combinada com publicidade excessiva de substitutos do leite materno e ainda uma legislação deficiente na proteção à maternidade, entre outros”, justificam os autores deste trabalho.

Para João Breda, coordenador do Departamento Europeu de Prevenção e Controle de Doenças Não Transmissíveis da OMS e um dos autores deste trabalho, “estes dados trazem à luz que a adoção do aleitamento materno exclusivo está abaixo das recomendações mundiais e está longe da meta de aumentar a prevalência do aleitamento materno exclusivo nos primeiros 6 meses até pelo menos 50% até 2025, endossada pelos Estados Membros da OMS na Assembleia Mundial da Saúde sobre Metas Globais de Nutrição”.

O estudo COSI tem como objetivo criar uma rede sistemática de recolha, análise, interpretação e divulgação de informação descritiva sobre as características do estado nutricional infantil de crianças dos 6 aos 9 anos, que se traduz num sistema de vigilância que produz dados comparáveis entre países da Europa e que permite a monitorização da obesidade infantil a cada 2-3 anos. Participam atualmente neste estudo cerca de 40 países da Região Europeia da OMS, constituindo-se este como o maior estudo europeu da OMS com cerca de 300 mil crianças participantes.

Na qualidade de Centro Colaborativo em Nutrição e Obesidade Infantil da OMS/Europa, o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, através do seu Departamento de Alimentação e Nutrição, tem vindo a coordenar nos últimos 10 anos o estudo COSI Portugal, em articulação com a Direção-Geral da Saúde, contando com a colaboração, a nível regional, de todas as Administrações Regionais de Saúde e ainda com as Direções Regionais de Saúde dos Açores e da Madeira, designadamente o Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais da Madeira.

Para mais informações sobre o estudo hoje divulgado, por ocasião do 26.º Congresso Europeu de Obesidade (ECO 2019), que decorre até ao próximo dia 1 de maio em Glasgow (Escócia), consultar o site da OMS-Europa (em inglês).

Fonte: INSA (Noticia original

29 de April de 2019 às 05:46