Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 2385
Italy 5492
Great Britain 0
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 2651
France 9437
Spain 1063
Ireland 262
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

Gripe e mau tempo reduzem doações de sangue

Gripe e mau tempo reduzem doações de sangue

Os casos de gripe e o mau tempo que se tem registado em Portugal estão a contribuir para uma diminuição das dádivas de sangue, com quebras mais importantes nos tipos 0 e A negativos.

Segundo Gracinda de Sousa, do conselho diretivo do Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST), não há uma situação de carência nas reservas de sangue que motive um verdadeiro apelo à dádiva. No entanto, os casos de gripe em Janeiro e Fevereiro, associados ao mau tempo, estão a fazer com que as dádivas baixem ou sejam adiadas.

Além dos doentes, que não se podem deslocar para dar sangue, há ainda casos de pessoas em situação pré ou pós gripal que, na triagem médica ao dador, não são aprovadas para as dádivas.

As tempestades dos últimos dias estão também a cancelar ou a adiar dádivas ou colheitas de sangue por dificuldade em aceder a alguns locais.

“Sabemos como o sangue é tão importante para os cuidados de saúde que são prestados ao doente. Queremos agradecer aos dadores e dizer que não se esqueçam [de fazer dádiva], sobretudo os 0 e A negativos, que são os que sentem mais reflexo quando há reduções de dádiva”, declarou Gracinda de Sousa à agência Lusa.

A dirigente do IPST frisa que não há problemas nas reservas de sangue em Portugal, que se encontram “razoavelmente bem”, apesar destas reduções de dádivas.

Adaptado de Lusa

13 de February de 2014 às 17:00