Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 1881
Italy 5419
Great Britain 0
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 2600
France 8202
Spain 1060
Ireland 262
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

Um vírus ainda misterioso

Um vírus ainda misterioso

Este é o primeiro surto detectado, na população humana, com este subtipo de influenza, A (H7N9), um vírus da gripe aviária. Anteriormente, foram relatados casos esporádicos de infecção humana com outras variantes A (H7) do vírus influenza. Esses casos foram associados a surtos de infecção em aves domésticas noutros países. Estes precoces vírus A (H7) que provocaram infecções em humanos, geralmente resultaram em doença de gripe leve, com alguma conjuntivite associada. Agora, este subtipo demonstrou que é mortal.

No início da semana, os laboratórios de referência da gripe começaram a receber a caracterização genética dos três primeiros vírus H7N9 isolados em pessoas infectadas. Com base nessa análise, a Organização Mundial de Saúde avançou as primeiras conclusões.

1- Este vírus é uma recombinação de três diferentes vírus da gripe aviária;
2- Até ao momento, as análises genéticas mostraram algumas mudanças, incluindo substituições de aminoácidos associadas com o incremento da afinidade aos receptores alfa 2-6, o que sugere que o H7N9 pode ter grande habilidade para infectar mamíferos, incluindo humanos, mais do que outros vírus da gripe aviária;
3- É expectável que este vírus seja sensível aos inibidores de neuraminidase (oseltamivir e zanamivir) mas resistente aos antivirais mais antigos (amantadina e rimantadina);
4- Os vírus isolados até agora têm uma estrutura de hemaglutinina associada a baixa patogenecidade em aves.

Mas é mais o que não se sabe sobre este vírus: existem várias lacunas de informação crítica, neste momento, incluindo qual o (ou os) reservatório animal em que o vírus está a circular; as principais exposições e vias de transmissão (isto é, como as infecções humanas foram adquiridas) e o mapa da propagação deste vírus entre populações humanas e animais.

Os vírus A (H7N9) aviários têm sido isolados nas aves de criação (incluindo patos) e pombos nos mercados de aves vivas em algumas áreas da China, mas ainda não foi claramente determinado se existem outros potenciais reservatórios deste vírus, inclusive noutras espécies de aves domésticas e selvagens, e em espécies de mamíferos como os porcos (uma espécie ‘misturadora’ de virus da gripe, por excelência).

Até agora, este vírus não tem sido associado com relatórios de doença grave em aves de capoeira.

O ponto de situação deste surto pode ser acompanhado
aqui

e aqui

18 de April de 2013 às 22:12