Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 2390
Italy 0
Great Britain 0
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 2660
France 6077
Spain 1063
Ireland 0
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

Vírus H7N9 coloca China em alerta

Vírus H7N9 coloca China em alerta

Nesta quinta-feira, eram já dez os casos de humanos infectados com um sub-tipo de gripe aviária que até agora não tinha histórico conhecido de contágio em humanos. Três dos doentes faleceram. A grande dúvida é sobre a capacidade deste vírus ganhar capacidade para se transmitir entre humanos.

Na segunda-feira, quando ainda eram apenas conhecidos três casos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou que ainda não surgiu nenhuma evidência para mostrar que este tipo de gripe aviária possa ser transmitida entre pessoas. Dois homens de Xangai, com 87 e 27 anos, tinham adoecido no final de fevereiro. Uma mulher na província de Anhui também contraiu o vírus no início de março e estava em estado crítico.

"Neste momento, estes três são casos isolados, sem evidência de transmissão entre humanos", afirmou o representante da OMS na China, Michael O'Leary, a jornalistas, segunda-feira.

"Um novo vírus tende a ser mais virulento no começo. Ou vai tornar-se um vírus verdadeiramente humano, caso em que temos que começar a lidar com ele regularmente, ou vai ser principalmente um vírus animal com apenas casos humanos raros", disse O'Leary.

Em Hong Kong, as autoridades ativaram um primeiro nível de alerta, de acordo com um plano de preparação para uma eventual pandemia de gripe, o que exige um acompanhamento de perto das explorações aviárias, a vacinação de aves, abates, e uma suspensão das importações de aves vivas do continente.

Todos os passageiros de voos domésticos e não domésticos estão a ser alertados para que notifiquem os comissários de bordo ou o pessoal do aeroporto, caso se sentissem mal.

Por sua vez, em resposta ao aparecimento do vírus na China, o Vietname proibiu a importação de aves da China e reforçou o controle de suas fronteiras. O embargo vietnamita está destinado a "prevenir ativa e eficazmente a entrada do vírus H7N9 ao Vietname", indicou o ministro de Agricultura Cao Duc Phat numa mensagem publicada na terça-feira no site de seu ministério, informando que a proibição entrava em vigor imediatamente.

As aves chinesas, importadas de forma legal ou ilegal através dos 1.300 km de fronteira terrestre entre ambos os países, são produtos muito comuns nos mercados vietnamitas. O Vietname foi um dos países do sudeste asiático mais afetados pelo vírus H5N1, a forma mais frequente de gripe aviária, com pelo menos 59 mortes desde 2003 - duas das quais no ano passado - de um total de mais de 360 no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde.

26 de March de 2013 às 21:57