Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 1877
Italy 5195
Great Britain 0
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 2597
France 12202
Spain 1058
Ireland 262
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

Vacina universal? ‘Daqui a 5 ou 10 anos’

Vacina universal? ‘Daqui a 5 ou 10 anos’

Nos Estados Unidos, os decisores políticos quiseram saber quais os avanços científicos relacionados com a gripe. As principais autoridades de saúde federais estiveram ontem em audição no Capitólio e afirmaram que aquele país tem defesas contra a epidemia de gripe muito mais eficazes do que há 10 anos. Contudo, uma vacina ‘universal’ contra a gripe ainda estará, provavelmente, entre 5 a 10 anos de distância.

Responsáveis dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e da Food and Drug Administration (FDA) referiram aumentos de capacidade de produção da vacina contra a gripe e as recém-aprovados vacinas contra a gripe, como sinais de progresso, mas também deixaram claro que o objetivo de uma vacina oferecendo mais ampla e duradoura proteção ainda está distante.

A audiência da Sub-comissão de Energia e Comércio e da Sub-comissão de Supervisão e Investigação foi focada na actual estação de gripe e na preparação para a epidemia de gripe em geral. O debate com o painel de especialistas foi transmitido por webcast. Quando um membro do painel perguntou a Jesse Goodman, da FDA, quão os cientistas estão próximos de desenvolver uma vacina universal contra a gripe, ele respondeu que é mais otimista do que era alguns anos atrás. "A natureza é muito complexa e como este é um vírus muito astuto, hesitaria em avançar com previsões", respondeu Goodman. "Contudo, acho que só começaremos a ver alguma coisa com eficácia clínica de aqui a 5 a 10 anos “, concluiu.

As actuais vacinas contra a gripe têm como alvo a hemaglutinina (HA) do vírus Influenza, que evolui constantemente, exigindo a reformulação da vacina a cada ano, para ‘coincidir’ com as estirpes circulantes mais recentes. O ‘Santo Graal’ do desenvolvimento da vacina contra a gripe será um produto que tenha como alvo uma parte do vírus que é a mesma entre as diferentes estirpes – universal e duradoura. Nos últimos meses, a FDA aprovou duas novas vacinas, quer em cultura de células quer utilizando DNA recombinante de vírus em insecto – em vez do tradicional ovo de galinha - mas ambas ainda têm como alvo a HA.

Numa atualização sobre a estação de gripe nos EUA, que regista uma das mais severas epidemias dos últimos anos, os responsáveis das agências governamentais referiram que a atividade gripal já atingiu o pico e está a começar a diminuir, mas que ainda vai continuar por várias semanas. Os internamentos de idosos com gripe confirmada em laboratório são cerca de duas vezes maiores que o habitual. Os CDC estimaram recentemente em 62% a efetividade da vacina deste ano. Observando que o subtipo A(H3N2) é dominante nos EUA, este ano, um especialista dos CDC disse que, por razões pouco claras, estas estações são mais difíceis para os idosos. Foi o caso em 2003/04 e em 2007/08, acrescentou.

A cobertura vacinal contra a gripe, nos EUA, é, nesta estação, de aproximadamente 40%.

12 de February de 2013 às 22:13