Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 2391
Italy 0
Great Britain 0
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 2722
France 7008
Spain 0
Ireland 0
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

A gripe nas crianças

A gripe nas crianças

Desde 2004 que os Estados Unidos reforçaram as recomendações de vacinação das crianças pequenas contra a gripe sazonal. Contudo, de acordo com um novo estudo, publicado na revista Pediatrics , pouco se alterou na cobertura vacinal deste grupo etário. Os dados foram recolhidos ao longo de cinco estações de gripe (de 2004/5 a 2008/9), em três condados dos EUA (Cincinnati, Nashville e Rochester), quer em doentes internados quer em consultas de ambulatório.

Os investigadores analisaram dados das crianças com febre e sintomas respiratórios agudos que se apresentaram aos serviços de urgência, unidades de internamento e ambulatório. Foram recolhidos esfregaços para despiste laboratorial.

As taxas de hospitalização foram de 0,4 a 1,0 por mil crianças menores de 5 anos, com taxas maiores em bebés com menos de 6 meses. No ambulatório, a proporção de crianças com gripe variou entre 10% a 25% em cada estação, tendo 1% recebido anti-virais. O grupo descobriu que, entre as crianças hospitalizadas, 58% revelaram teste positivo para o vírus da gripe, 35% foram descartados, e 2% receberam tratamento antiviral.

Ao longo das cinco temporadas, menos de 45% das crianças com 6 meses e mais, que revelaram teste negativo para a gripe, tinham sido vacinadas contra a doença. Os investigadores concluíram que, apesar das recomendações de vacinação se terem ampliado, uma forte incidência de gripe em crianças permanece e que são necessários mais esforços para aumentar a imunização em crianças e mulheres grávidas, para proteger seus bebés.

O resumo do artigo: The Burden of Influenza in Young Children, 2004–2009

7 de January de 2013 às 21:09