Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 1581
Italy 4836
Great Britain 5075
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 1350
France 6220
Spain 1029
Ireland 354
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

Os morcegos também ‘espirram’

Os morcegos também ‘espirram’

Aves, porcos, cães, cavalos... já sabíamos que eram afectados por vírus da gripe. Mas... morcegos? ‘Bat flu’, ou gripe dos morcegos, refere-se a um vírus influenza A encontrado em morcegos. Foi descoberta pela primeira vez em ‘morcegos de ombros amarelos pequenos’, na Guatemala, durante um estudo realizado em 2009 e 2010 por especialistas dos CDC e da Universidad del Valle . Até ao momento, o vírus da gripe só foi detectado nesta espécie de morcegos. As investigações laboratoriais indicam que este vírus teria que sofrer mudanças significativas para se tornar capaz de infectar e de se espalhar facilmente entre humanos.

Os estudos laboratoriais conduzidos pelos CDC sugerem que as células humanas não suportam o crescimento dos vírus da gripe de morcego no tubo de ensaio. Isto significa que os vírus da gripe dos morcegos, tal como estão estruturados, não podem crescer ou reproduzir-se em humanos. No entanto, o teste do genoma do vírus da gripe morcego sugere o que os seus genes internos são compatíveis com o vírus da gripe humana, pelo que não se pode descartar a possibilidade desses vírus, eventualmente, se tornarem capazes de infectar seres humanos, através de ‘rearranjo’ genético. O ‘ rearranjo’ ocorre quando dois ou mais vírus da gripe infectam, em simultâneo, uma célula hospedeira, o que lhes permite trocar informação genética. Esse hibridismo pode levar ao surgimento de novos vírus da gripe capazes de infectar seres humanos.

No entanto, as condições necessárias para este rearranjo ocorrer entre o vírus da gripe humana e o vírus da gripe dos morcegos permanecem desconhecidas. Um outro animal (porco, cavalo ou cão) teria de servir como uma "ponte". Estudos adicionais são agora necessários para determinar esta probabilidade. Independentemente das probabilidades e dos riscos, há uma certeza: estes são fenómenos naturais fascinantes.

Crédito da foto : CDC/OID/NCEZID – Amy T. Gilbert

26 de February de 2012 às 06:25