Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 1581
Italy 4836
Great Britain 5075
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 1350
France 6220
Spain 1029
Ireland 354
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

Bélgica e França em epidemia, Portugal a subir

Bélgica e França em epidemia, Portugal a subir

‘Os critérios utilizados para falar de epidemia de gripe na Bélgica estão agora preenchidos’, anunciou quarta-feira o Instituto Científico de Saúde Pública (ISP, na sigla francesa).

O instituto refere, no seu boletim semanal, que se registaram 246 consultas por doenças semelhantes à gripe por 100.000 habitantes -- o limiar de epidemia situa-se em 138 consultas por 100.000 habitantes.

O ISP também enfatiza que os sintomas da gripe estão a aumentar em todas as faixas etárias. Cerca de metade (51%) das amostras laboratoriais revelaram-se positivas para o Influenza A, o que indica uma circulação sustentada do vírus da gripe na população.

Na imagem, o gráfico da curva de incidência da gripe na Bélgica, comparando esta estação (2011-12) com a anterior (2010-11), registado pela monitorização on-line Influenzanet.

A epidemia de gripe também já começou em França. E a intensidade deve crescer nas próximas semanas em todo o território. Segundo os médicos da rede Sentinela, "a incidência de doenças semelhantes à gripe a partir das consultas médicas, foi estimada em 273 casos por 100 000 habitantes" ( o limiar de epidemia é de 161 casos por 100 000 habitantes).

 A rede de grupos regionais de observação Influenza (GROG) confirma que  o limiar de epidemia de gripe foi ultrapassado em dez áreas metropolitanas contra três na semana passada. Entretanto, a recentemente lançada plataforma de monitorização on-line, Grippenet.fr (‘irmã’ do nosso Gripenet) já conta com mais de 2.700 voluntários em todo o país.

Por cá, apesar do aumento do número de casos, quer os registados na rede de vigilância sentinela, quer na monitorização pela Internet, a epidemia ainda é moderada. Só nos próximos dias será possível perceber se a situação se vai agravar ou não.

«A atividade gripal está no seu período epidémico. Já temos duas semanas em que a taxa de incidência se encontra acima dos seus valores de atividade basal», ou seja, cerca de 90 casos por 100 mil habitantes, segundo Baltazar Nunes, investigador de epidemiologia do Instituto Ricardo Jorge.

Nas duas últimas semanas, o número de gripes tem sido moderado, mas a tendência é para crescer, sendo que «tanto pode continuar a crescer», com os próximos dias a registarem um pico, ou começar a descer, explicou em declarações à rádio TSF.

No ano passado, o pico da gripe não chegou a atingir os 120 casos por 100 mil habitantes, ou seja, não chegou a ser uma epidemia elevada. De acordo com o mesmo investigador, tudo indica que a vacina administrada contempla o vírus mais ativo, o AH3.

12 de February de 2012 às 08:13