Influenzanet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet

http://www.influenzanet.info/

Epiwork Logo
Developing the framework for an epidemic forecast infrastructure.
http://www.epiwork.eu/

The Seventh Framework Programme (FP7) bundles all research-related EU initiatives.

7th Framework Logo
Participating countries and volunteers:

The Netherlands 0
Belgium 0
Portugal 1125
Italy 4864
Great Britain 0
Sweden 0
Germany 0
Austria 0
Switzerland 1365
France 0
Spain 1035
Ireland 3
InfluenzaNet is a system to monitor the activity of influenza-like-illness (ILI) with the aid of volunteers via the internet. It has been operational in The Netherlands and Belgium (since 2003), Portugal (since 2005) and Italy (since 2008), and the current objective is to implement InfluenzaNet in more European countries.

In contrast with the traditional system of sentinel networks of mainly primary care physicians coordinated by the European Influenza Surveillance Scheme (EISS), InfluenzaNet obtains its data directly from the population. This creates a fast and flexible monitoring system whose uniformity allows for direct comparison of ILI rates between countries.

Any resident of a country where InfluenzaNet is implemented can participate by completing an online application form, which contains various medical, geographic and behavioural questions. Participants are reminded weekly to report any symptoms they have experienced since their last visit. The incidence of ILI is determined on the basis of a uniform case definition.

Hide this information

Gripenet inspira investigadores Brasileiros

Dengue na Web! É o nome de um projeto de monitorização on-line da epidemia sazonal de dengue na cidade de Salvador, no Brasil. A sensação de que já leu sobre algo parecido não é engano.

Inspirados pelo sucesso do Gripenet, investigadores do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC-UFBA) recriaram um sistema de vigilância da dengue através da Internet, com a participação voluntária dos cidadãos. O objetivo consiste na identificação, em tempo real, de possíveis focos de doença na cidade de Salvador e, em caso disso, na sua comunicação às entidades de intervenção sanitária. Prevê-se, numa segunda fase, alargar a monitorização ao restante Estado da Bahia.

À semelhança do Gripenet, os cidadãos que se registem no site do projeto recebem semanalmente uma newsletter com notícias sobre a dengue e um convite para preenchimento de um breve questionário sobre os sintomas de dengue manifestados durante a semana anterior.

Tal como acontece com os dados recolhidos na monitorização on-line da gripe, a informação obtida pelo Dengue na Web contribuirá para o desenvolvimento de modelos matemáticos e computacionais que possibilitem avaliar a evolução da epidemia de dengue na cidade. Acima de tudo, pretende-se desenhar possíveis cenários de intervenção contra a proliferação do mosquito Aedes aegypti,  responsável pela propagação do vírus de dengue na população. Recorde-se que este mosquito está presente em Portugal, concretamente na ilha da Madeira, apesar de não haver registo de transmissão do vírus. Foi também responsável, recentemente, por epidemias em Cabo Verde.

Os investigadores do Gripenet/ IGC colaboraram ativamente com a equipa multidisciplinar “Dengue na Web” para a implementação deste tipo de vigilância epidemiológica, aplicado pela primeira vez a uma doença transmitida por um vetor.

São Salvador é uma metrópole com quase três milhões de habitantes, sendo a cidade mais populosa do Nordeste brasileiro, a terceira mais populosa do Brasil e a oitava mais populosa da América Latina.
A dengue, doença para a qual ainda não existe vacina, foi, durante 2010, diagnosticada em quase 1 milhão de brasileiros, tendo o número de casos notificados aumentado mais de 90% relativamente a 2009.

Os sintomas iniciais da dengue clássica são inespecíficos como febre alta de início abrupto, mal-estar, perda de apetite, cefaleias, dores musculares e nos olhos, manchas vermelhas na pele. A dengue hemorrágica é o tipo de dengue mais mortífero: após a febre baixar podem ocorrer hemorragias internas e coagulação intravascular disseminada, com danos e enfartes em vários órgãos. Ocorre frequentemente também hepatite e por vezes choque mortal devido às hemorragias abundantes.

Veja mais sobre o projecto em http://www.denguenaweb.org/

24 de October de 2011 às 14:59